The Stephanie's Plate

The Stephanie’s Plate é um blog culinário que reúne receitas em português de pratos coreanos e sobremesas menos açucaradas. Conheça mais sobre esse projeto e não perca a oportunidade de desfrutar da culinária coreana em sua casa!

The Stephanie’s Plate é um blog criado por Laila Stephanie Chung, descendente de coreanos nascida no Brasil. Formada em Marketing pela Universidade Mackenzie, Stephanie possuia um hobby paralelo ao trabalho, a culinária. Em casa, cresceu comendo comida coreana e arroz e feijão, mas o paladar de sua família era mais aliado ao coreano e por isso, desde criança presenciava sua mãe a preparar sopas, kimchi e carnes marinadas. Com o tempo, o interesse foi ficando maior em atuar na área gastronômica e por isso decidiu se dedicar mais diretamente ao campo. Hoje é estudante de pastry com ênfase em nutrição no Le Cordon Bleu e trabalha como Pastry Assistant em Downtown, Los Angeles. Confira a entrevista realizada pelo BrazilKorea com Stephanie e conheça mais sobre o seu trabalho:

BrazilKorea: Como surgiu o “The Stephanie’s Plate”? Qual foi a principal motivação para cria-lo? Conte um pouco sobre sua experiência ao morar na Coreia do Sul e como essas experiências, principalmente no campo da gastronomia te influenciaram.

Stephanie: Morei um ano na Coreia do Sul. Foi a minha primeira experiência em morar sozinha. Para me alimentar, me virava para comer na cantina, pedindo por delivery ou comprando comida pronta do mercado. Um dia de repente me deparei com os meus lábios rachados e sangrando. Preocupada, liguei para a minha mãe a qual me sugeriu comer laranja ou abacaxi por suspeitar ser falta de vitamina C. Depois de um abacaxi meus lábios voltaram ao normal. Fiquei atordoada com essa cena. Isso me fez buscar mais informações sobre nutrição e consequentemente sobre o preparo de alimentos.
Parei de comer fora e me foquei na alimentação de pratos coreanos caseiros. No início eu era um caso perdido na cozinha. Minhas comidas não ficavam nada boas (risos). Mas fui treinando e fiz algumas aulinhas de culinária próximo ao local onde morava.
Voltei para o Brasil trazendo livros de receitas coreanas e continuei cozinhando em casa. Testando mais e mais receitas novas, me deparei com alguns ingredientes que eu não sabia a tradução em português. Passei um tempo tendo de converter as receitas do coreano para o inglês e depois para o português, pois pelo menos na época, não encontrava tradução direta.
Procurar os ingredientes coreanos também foi uma experiência de caça. Apesar de haver algumas mercearias coreanas no Bairro do Bom Retiro (em São Paulo), quis conferir se era possível encontrar os ingredientes em pontos mais populares, como mercados e feiras. Paguei vários micos com atendentes que faziam uma cara bizarra com as minhas perguntas “Moço, aqui tem folha de nabo ou vértebra de carne de porco?”. Dá para se encontrar alguns itens sim, mas os temperos, em sua maioria somente em mercearias específicas.
Em casa cozinhava para os meus pais, ambos imigrantes vindos da Coreia do Sul, e todo prato acabava por lembrá-los de experiências foodies na época em que moravam em sua terra natal. Cada comida tinha uma história. Era um momento em que posso dizer que alimentávamos o estômago e a alma.
Ao longo disso, eu tirava fotos dos pratos e postava no Facebook. Obtive feedbacks de pessoas com curiosidades e dúvidas, e foi quando reparei que havia muita carência no conhecimento da culinária coreana em questão de seu preparo devido a língua/tradução e informações mais didáticas sobre ela.
Com incentivos de amigos, comecei a montar um blog com receitas de comida coreana. Decidi lançar ao ar no dia em que a minha concunhada me contou que uma conhecida em comum, que tem como língua materna o português, havia acabado de se casar e estava procurando por informações sobre como cozinhar comida coreana para o recém marido. Falei “Se ela quiser preparar Bulgogui (carne tradicional coreana), passa o endereço deste blog para ela. Vou lançar hoje e lá terá a receita com passo a passo em português”. E foi assim que basicamente surgiu o The Stephanie’s Plate.
As pessoas ficam sabendo do blog de boca em boca, e agradeço toda indicação. Por enquanto ele é um hobby que gosto muito e já que agora entrei na área gastronômica talvez sirva também como uma ferramenta de trabalho, mas com certeza quero treinar mais receitas e divulgar o blog melhor.

BrazilKorea: A culinária coreana tem ganhado cada vez mais alcance entre os brasileiros, como você vê a fusão das duas culinárias (brasileira e coreana)? 

Stephanie: Vejo bastante interesse das pessoas por novas culinárias, principalmente pela coreana. Acho isso ótimo pois a gastronomia sul coreana tem muito a oferecer. Ela é rica, saborosa e nutritiva. Gostaria que todos experimentassem pelo menos uma vez na vida!
A culinária brasileira é uma delícia. Adoro a sua base que gira em torno da farinha de milho, arroz, feijão e bastante verde. Na minha opinião, as duas culinárias entregam duas propostas bem diferentes mas ambas se fundamentam em alimentos bem temperados com ingredientes naturais, molho quente e bastante verde. E acredito que seja por isso que os brasileiros viram fãs de comida coreana e vice versa. Não conheço um imigrante coreano que não goste de feijoada (risos).

BrazilKorea: Quais os pratos coreanos mais procurados pelo público que acompanha seu blog?

Stephanie: Os pratos mais procurados são com certeza o Bulgogui e o Bibimbap. Acredito que estes foram os mais popularmente difundidos no paladar das pessoas que buscam conhecer novas culinárias, e, por isso a procura por receitas deles.

20150726 - Alexandre Disaro - 0017

Stephanie Chung prepara Bibimbap no Curso de Imersão Coreana – 2015 Fotografia de Alexandre Disaro

BrazilKorea: Como você escolhe os pratos e receitas que vai fazer e qual foi a receita mais difícil de executar?

Stephanie: Escolho os pratos me baseando na praticidade de se fazer em casa, considerando também a facilidade de se encontrar cada ingrediente e quando me bate vontade de comê-los (risos). Por exemplo, se estou em um período em que sinto vontade de comer algo apimentado, isso já me baseia em montar uma receita de um prato ardido para o blog.
A receita que tive um pouco de trabalho em montar foi a do Mulnaengmyeon (macarrão em caldo frio). Em um dia o refiz três vezes. Este prato exige um caldo bem gostoso, então levei um tempo para acertar a proporção de cada tempero para se chegar ao melhor sabor possível do caldo.

BrazilKorea: Para aqueles que estão começando a se aventurar na culinária coreana, que pratos você indica para as primeiras experiências?

Stephanie: Indico os pratos que são feitos com ingredientes mais populares não muito difíceis de achar, como o molho de soja e óleo de gergelim. Já para quem está começando, indico pratos como o Bulgogui (carne tradicional coreana) e para quem gosta de um apimentadinho o Dalktoritang (frango apimentado com legumes) ou o Yangnyeomsanguiopssal (carne de porco apimentado). Este último requer um ingrediente específico coreano, o Gochujang (pasta apimentada coreana), mas que ultimamente se é possível encontrar em mercearias japonesas também.

BrazilKorea: Que ingredientes não podem faltar na cozinha para fazer um típico prato coreano?

Stephanie: Na minha opinião, não pode faltar molho de soja, óleo de gergelim, alho, pimenta do reino e um toque extra seria o gengibre e o molho de peixe. São ingredientes que sempre tenho em casa.

BrazilKorea: Além da culinária coreana o seu blog também traz receitas de sobremesas, aliando um cuidado especial à saúde. Como surgiu essa proposta?

Stephanie: Sempre fui fã de sobremesa mas não necessariamente de doces muito açucarados . É fácil eu considerar “muito doce” as sobremesas comercializadas popularmente como o pudim da padaria na esquina ou o bolo de brigadeiro da festinha de criança. Por mim, quanto menos doce possível melhor.
Há um tempo atrás fazia bolos em casa reduzindo o açúcar e oferecia para o pessoal do trabalho, para a portaria do prédio, amigos e até clientes. Fiquei surpresa pela reação pois a maioria, dentre brasileiros e coreanos, fazia questão de me falar que preferiam bolos menos doces assim, tanto pelo paladar quanto pensando na saúde. Como vi muitas pessoas ao redor com a mesma identificação em relação ao açúcar, comecei a postar no blog sobremesas menos doces também.

Mensagem final

No dia a dia facilmente recorremos a alimentação na rua pela praticidade. Isso faz parte. Em meio a correria, separar um tempo para cozinhar uma refeição natural, servir a família, amigos e a si mesmo se torna muito além de só alimentar o estômago, é um momento de expressão de carinho e cuidado. (Aliás, ajudar na louça também é um gesto de carinho rs). Através do blog meu intuito é facilitar esses momentos o máximo possível, agradando o paladar e nutrindo o corpo. Sem deixar de abrir mão da sobremesa, é claro! Agradeço muito a Deus, à minha família, amigos e pelo apoio de todos ao meu trabalho.

Para conferir as receitas na íntegra do The Stephanie’s Plate basta acessar o site, além de conferir as novidades pela página do Facebook e pelo Instagram. Para contato via e-mail, acesse o Gmail.

Agradecimentos: Stephanie Chung

avatar
About Barbara Brisa

Editora de conteúdo (Brasília) - Socióloga e pesquisadora sobre cultura e tradição coreana.

5 Responses to The Stephanie’s Plate traz a culinária coreana à sua casa
  1. avatar

    Como posso conseguir o email de Stephanie Jung para convidá-la para participar das OFICINAS DE GASTRONOMIA ASIATICA da feira ASIAN FOOD SHOW 2016 ?

    • avatar

      Olá Lucia, no final da matéria estão disponíveis todos os contatos das redes sociais da Stephanie, inclusive o e-mail para contato e agenda.

  2. avatar

    Eu tinha esse mesmo pensamento, existe uma carência no Brasil de informações e receitas da culinária coreana.
    Quando fui procurar sempre achava em outro indioma, o que acaba desanimando a pessoa de tentar fazer algo.
    Parabéns ao site por estar divulgando o trabalho dela para os leigos que se interessam.

  3. avatar

    Interessante! Dar uma olhada no site e me venturar na cozinha.


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *